domingo, 28 de março de 2010

Hebdomada Sancta - Paróquia Nossa Senhora do Amparo


Paróquia Nossa Senhora do Amparo
Pauta Litúrgica

HEBDOMADA SANCTA

28/03
Dominica in Palmis de Passione Domini
Sancta Missa - 6h30, 9h, 11h15, 17h30

29/03
Feria Secunda
Sancta Missa - 7h15
Missa Chrismatis - Ecclesia Cathedralis Dominae Nostrae Perdolentis - 19h

30/03
Feria Tertia
Sancta Missa - 7h15, 17h

31/04
Feria Quarta
Sancta Missa - 7h15, 17h

01/04
Feria Quinta - Cena Domini
Sancta Missa - 17h
Post Missam Adoratio Sanctissimi Sacramenti

02/04
Feria Sexta - Passio Domini
Celebratio Solemnis - 18h

03/04
Sabbato Sancto (Dies abstinentiæ et ieiunii)
Vigilia Paschalis in Nocte Sancta
Sancta Missa - 20h

04/04
Dominica Paschæ in Resurectione Domini
Sancta Missa - 6h30, 7h45, 9h, 11h, 17h30

CHRISTVS VINCIT
CHRISTVS REGNAT
CHRISTVS IMPERAT

sábado, 27 de março de 2010

Sobre o “Tempo da Paixão”

Após ter proposto os quarenta dias de Jesus no deserto para a meditação dos fiéis durante as quatro primeiras semanas da Quaresma, a Santa Igreja dá as duas semanas restantes antes da Páscoa [a partir da V semana da Quaresma] para a comemoração da Paixão. Ela não faria seus filhos chegarem ao grande dia da imolação do Cordeiro, sem tê-los preparado para isso pela compaixão por ele, nos sofrimentos que ele padeceu no lugar deles. (...)
Esta semana [a Semana Santa] foi tida em grande veneração já no séc. III, como aprendemos de São Dênis, bispo de Alexandria, que viveu neste tempo. No século seguinte, encontramos São João Crisóstomo, chamando-a de "grande semana": "Não", diz o santo doutor, "porque tenha mais dias que as outras semanas, ou porque seus dias tenham mais horas que os outros, mas nós a chamamos 'grande' por causa dos grandes mistérios que nela são celebrados". Encontramo-la ainda com outros nomes: "semana dolorosa" (...); "semana da indulgência" (...) e, ultimamente, "semana santa", em alusão à santidade dos mistérios que são comemorados durante estes sete dias. (...)
Outra característica dessas duas semanas (...) é o dar esmolas mais abundantes e o maior fervor na prática das obras de misericórdia. São João Crisóstomo assegura que esta era a prática de seu tempo (...): que eles (os fiéis) deveriam, numa certa medida leve, imitar a generosidade divina, que agora está derramando tão sem reservas as suas graças sobre os pecadores.

Fonte: Dom Guéranger, “O Ano Litúrgico”, “A história do Tempo da Paixão e da Semana Santa”

Por Luís Augusto - membro da ARS

domingo, 21 de março de 2010

Igreja do Amparo adquire Missal Romano em latim (forma ordinária)


Pax et bonum!

A notícia chega tarde ao blog, mas chega.
A pedido do Pe. José de Pinho, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Amparo, foi comprado, por intermediação de membros da ARS, um MISSALE ROMANVM - editio typica tertia emendata.
A compra foi feita pelo site da Libreria Coletti. O Missale estava por € 200. A compra foi efetuada no início de fevereiro e ele chegou a nós pelo dia 20 do mesmo mês.
Por enquanto ele servirá de consulta no que diz respeito a rubricas, orações, língua latina e canto gregoriano.

Por Luís Augusto - membro da ARS

sábado, 20 de março de 2010

Em junho Encontro Sacerdotal sobre o Summorum Pontificum em Guaranhuns-PE

Pax et bonum!

Não são tão frequentes manifestações de apreço pela riqueza litúrgica da Igreja vindas do nordeste brasileiro. Confesso-o como bom católico piauiense.
Nos dizeres da Instrução Redemptionis Sacramentum (n. 30): por um mal-entendido no sentido de criatividade e de adaptação, não se têm faltado os abusos.
Pois bem, nos dias 17, 18 e 19 de junho, em Guaranhuns-PE, acontecerá um Encontro Sacerdotal de formação sobre o Motu Proprio Summorum Pontificum e a forma extraordinária do Rito Romano. O lema do encontro é: UM GRANDE DOM ESPIRITUAL E LITÚRGICO PARA TODA A IGREJA (muitos lembrarão de já ter visto essa expressão em outros lugares).
A iniciativa foi do bispo D. Fernando Guimarães, atendendo a pedidos de alguns padres brasileiros.
A verdade é que este bispo colaborou muitos anos com a Pontifícia Comissão Ecclesia Dei. Ao meu ver é um dos poucos bispos brasileiros afeiçoados ao patrimônio litúrgico da Igreja de um modo imparcial.
O encontro conta com o apoio da referida Comissão vaticana e com o auxílio da Administração Apostólica São João Maria Vianney.

Uma Igreja dos EUA adota AD ORIENTEM para todas as Missas

Após dois anos e meio de catequeses tanto do púlpito como em seções de boletins, pelo uso do arranjo Beneditino do altar, bem como por celebrações ocasionais da Missa ad orientem para várias festas e tempos do ano litúrgico, a Igreja de Santa Maria em Salem, Dakota do Sul restaurou completa e inteiramente a celebração ad orientem para todas as Missas paroquiais.

Como parte disto restauraram o uso do altar-mor original, que mais uma vez é o altar central e primário da igreja.

Foto da Igreja na Páscoa de 2009:


Foto da Igreja atualmente:


O altar e a direção da oração litúrgica devem ser uma matéria de particular consideração, a que se deve voltar a atenção acerca do quão profundamente isto pode influenciar nosso foco e enfatizar nossa orientação dentro da sagrada liturgia - e isto tanto para o clero como para os fieis.

Pe. Martin Lawrence, vigário de Santa Maria, deve ser felicitado muito justamente por sua visão a este respeito, e por realçar isso, com uma abordagem estratégica, mais ainda.


Traduzido por Luís Augusto - membro da ARS

quinta-feira, 18 de março de 2010

Diocese de Floriano no Piauí conta com novo bispo

VATICANO, 17 Mar. 10 (ACI) .- O Papa Bento XVI nomeou hoje o Padre Valdemir Ferreira dos Santos, da arquidiocese de Vitória da Conquista, na Bahia, como novo bispo da diocese de Floriano, no Piauí. O Padre Valdemir vai suceder a Dom Augusto Alves da Rocha, 76 anos, cuja renúncia foi aceita pelo Pontífice após o prelado cumprir 75 anos, conforme prescreve o cânon 401 parágrafo 1º do Código de Direito Canônico.

Ordenado sacerdote em 1987, Padre Valdemir é baiano da cidade de Nova Canaã e completará 50 anos no próximo dia 30 de março.
Segundo a informação divulgada hoje pela página da CNBB, atualmente o futuro bispo é vigário episcopal e ecônomo da arquidiocese de Vitória da Conquista (BA), além de pároco da paróquia Nossa Senhora das Candeias, em Vitória da Conquista.

Ele realizou seus estudos de filosofia no Seminário Maior do Nordeste de Minas, em Teófilo Otoni (MG), e de teologia na Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo. Em 2002, obteve a licença em teologia bíblica, na Pontifícia Universidade São Tomás de Aquino, em Roma.
Na arquidiocese de Vitória da Conquista, foi moderador das paróquias de Iguaí, Nova Canaã e Ibicuí (1987). Foi pároco da paróquia Nossa Senhora das Graças, em Vitória da Conquista. Coordenou a catequese na arquidiocese por dez anos e, durante três anos, foi professor no Instituto Diocesano de Filosofia. Entre outras funções o sacerdote foi vice-reitor e reitor do Seminário Maior de Filosofia e reitor do Seminário propedêutico Desde 2007 é diretor da Escola de Formação Diaconal, sendo ainda vigário episcopal do Vicariato São Lucas, membro do Conselho Presbiteral e do Colégio de Consultores.

Neste dia 17 de março, dia de São Patrício, Bispo ele será o 2º Bispo Diocesano de Floriano. O novo Bispo adotou como lema de seu brasão episcopal: "Apascenta as minhas ovelhas" – Pasce oves meas (Jo 21,17), uma referência bíblica de inspiração e orientação para sua nova missão como Pastor.

domingo, 14 de março de 2010

O Ofício das Tenebrae (Trevas) no Rito Moderno


Uma circular da Congregação para o Culto Divino, no ano de 1988, equipara a recitação conjunta do Ofício de Leituras e Laudes na quinta, sexta e sábado santos, conforme o rito romano moderno, com o Ofício das Trevas do rito romano tradicional.

De fato, o Ofício das Trevas nada mais é do que essas duas horas canônicas conjuntas (no rito tradicional, o Ofício de Leituras era Matinas) nos dias assinalados acima, recitadas com uma série de cerimônias tradicionais, como o apagar das velas, o streptus etc.

A única dificuldade seria como conciliar a cerimônia do apagar das quinze velas com o rito moderno, uma vez que são agora apenas seis salmos. O Mons. Peter Elliott, em seu "Ceremonies of the liturgical year", da Ignatius Press, no capítulo sobre o Tenebrae, sugere a seguinte combinação: apagar duas velas após cada um dos três salmos do Ofício das Leituras, uma vela após cada um dos dois responsórios do Ofícios das Leituras, e, finalmente, duas velas após cada um dos três salmos das Laudes, permanecendo só a última, a ser apagada no fim do Ofício conjunto.

Também as rubricas da Liturgia das Horas no rito moderno permitem acrescentar os textos antigos, dado que, por razões pastorais, o Ofício de Leituras sempre pode ser expandido.

Fica aí a sugestão para os que querem organizar uma recitação em público do Ofício das Trevas segundo a forma ordinária na próxima Semana Santa. Peguem seus breviários (em latim ou vernáculo), e façam. Usem as regras para a combinação do Ofício de Leituras com Laudes, que constam na IGLH e nas rubricas, e as sugestões do Mons. Elliott, e mãos à obra!

segunda-feira, 1 de março de 2010

Março - Mês de São José


Pax et bonum!

Hoje começa o mês de Março, carinhosamente conhecido também como mês de São José, por conta de sua Solenidade no dia 19.
Além de Esposo da Bem-aventurada Virgem Maria (título na dita Solenidade), o grande santo é pai terreno de Nosso Senhor e Patrono da Santa Igreja. Foi, aliás, durante o Concílio Vaticano I que São José foi declarado Patrono da Igreja Católica, posto que, tendo cuidado tão bem da Cabeça da Igreja, que é Cristo, certamente cuidaria muito bem de todo o Corpo.

Segue uma bela oração composta pelo Papa Leão XIII:

A te beate Ioseph, in tribulatione nostra confugimus, atque, implorato Sponsae tuae sanctissimae auxilio, patrocinium quoque tuum fidenter exposcimus. Per eam, quaesumus quae te cum immaculata Virgine Dei Genetrice coniunxit, caritatem, perque paternum, quo Puerum Iesum amplexus es, amorem, supplices deprecamur, ut ad hereditatem, quam Iesus Christus acquisivit Sanguine suo, benignus respicias, ac necessitatibus nostris tua virtute et ope succurras.
Tuere, o Custos providentissime divinae Familiae, Iesu Christi subolem electam; prohibe a nobis, amantissime Pater, omnem errorum ac corruptelarum luem; propitius nobis, sospitator noster fortissime, in hoc cum potestate tenebrarum certamine e caelo adesto; et sicut olim Puerum Iesum e summo eripuisti vitae discrimine, ita nunc Ecclesiam sanctam Dei ab hostilibus insidiis atque ab omni adversitate defende: nosque singulos perpetuo tege patrocinio, ut ad tui exemplar et ope tua suffulti, sancte vivere, pie emori, sempiternamque in caelis beatitudinem assequi possimus. Amen.

A vós, São José, recorremos em nossa tribulação e, depois de ter implorado o auxílio de Vossa Santíssima Esposa, cheios de confiança solicitamos o vosso patrocínio. Por esse laço sagrado de caridade, que vos uniu à Virgem Imaculada, Mãe de Deus, pelo amor paternal que tivestes ao Menino Jesus, ardentemente vos suplicamos que lanceis um olhar benigno para a herança que Jesus conquistou com seu sangue, e nos socorrais em nossas necessidades com o vosso auxílio e poder. Protegei, ó Guarda providente da Divina Família, a raça eleita de Jesus Cristo. Afastai para longe de nós, ó Pai amantíssimo, a peste do erro e do vício. Assisti-nos do alto do céu, ó nosso fortíssimo sustentáculo, na luta contra o poder das trevas; assim como outrora salvastes da morte a vida do Menino Jesus, assim também defendei agora a Santa Igreja de Deus contra as ciladas de seus inimigos e contra toda adversidade. Amparai a cada um de nós com o vosso constante patrocínio, a fim de que, a vosso exemplo, e sustentados com vosso auxílio, possamos viver virtuosamente, morrer piedosamente e obter no céu a eterna bem-aventurança. Assim seja.

Gostaria também de convidar a todos, sobretudo os jovens, a rezarem todos os dias deste mês pedindo a Deus a graça da pureza. Proponho um antiga oração que está na Raccolta (uma espécie de Enchiridion Indulgentiarum/Manual de Indulgências) e era rezada pelos sacerdotes após a Santa Missa:

Virginum custos et pater, sancte Ioseph, cuius fideli custodiae ipsa Innocentia Christus Iesus et Virgo virginum Maria commissa fuit; te per hoc utrumque carissimum pignus Iesum et Mariam obsecro et obtestor, ut me, ab omni immunditia praeservatum, mente incontaminata, puro corde et casto corpore Iesu et Mariae semper facias castissime famulari. Amen.

Glorioso São José, Pai e Protetor das virgens, guarda fiel, a quem Deus confiou Jesus Cristo, a própria inocência, e Maria a Virgem das Virgens! Eu vos peço e vos rogo por Jesus e Maria, esse dúplice depósito que vos foi feito tão querido, que me livreis de toda a mancha e que com a alma incontaminada, o coração puro e o corpo casto, sirva constantemente a Jesus e Maria. Amen.

SANCTE IOSEPH, PROTECTOR SANCTÆ ECCLESIÆ, ORA PRO NOBIS!

Por Luís Augusto - membro da ARS