Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2012

Catequese sobre a Comunhão frequente, por São João Maria Vianney

Imagem
Pax et bonum!

Como que complementando os dizeres do Santo em suas catequeses sobre a Sagrada Comunhão e sobre a Presença Real, segue nossa tradução de sua catequese sobre a Comunhão frequente.
Que seja de bom proveito para todos!
Meus filhos, todos os seres na criação precisam ser alimentados, para que possam viver; para este propósito Deus fez as árvores e as plantas crescerem; é uma mesa bem servida, para a qual os animais vêm e tomam o alimento que se adequa a cada um. Mas a alma também deve ser alimentada. Onde, então, está a sua comida? Meus irmãos, a comida da alma é Deus. Ah! Que belo pensamento! A alma não pode alimentar-se de nada além de Deus. Só Deus pode bastar para isto; só Deus pode enchê-la; só Deus pode saciar sua fome; ela absolutamente precisa do seu Deus! Em todas as casas há um lugar onde as provisões da família são mantidas; é a despensa. A igreja é a casa das almas; é a casa que pertence a nós, que somos cristãos. Bem, nesta casa há uma despensa. Vedes o taberná…

"Os Mártires da Era Meiji" ou descoberta e martírio dos católicos japoneses no séc. XIX

Imagem
Pax et bonum!

Embora o foco do nosso blog seja a Sagrada Liturgia, publicamos aqui mais uma tradução nossa, com o testemunho heroico dos católicos japoneses no fim do séc. XIX.
Que a constância e a liberdade interior dos mártires nos revigore e anime neste Ano da Fé que se aproxima!
O original inglês encontra-se aqui: http://pweb.sophia.ac.jp/britto/xavier/flynn/flynn01.html
***
OS MÁRTIRES DA ERA MEIJI Pe. Robert Flynn, SJ
Esta história aconteceu há cerca de 140 anos atrás (1). É uma história tocante e entusiasmante, e merece ser melhor conhecida. No tempo do nascimento do Japão moderno, 153 cristãos de Nagasaki foram exilados para a cidade montanhosa de Tsuwano no oeste do Japão. Lá, no Passo da Virgem, eles sofreram, e 36 deles morreram. Os líderes sobreviventes nos deixaram um testemunho ocular.
Descobertos os cristãos escondidos (2)
Quando o regime Tokugawa (3) começou a ruir e o Japão foi forçosamente aberto por Perry (4) em 1854, o Cristianismo ainda era ilegal. O duro edito de 2…

"Católico(a)" - Parte 2

Pax et bonum!

Continuando com nossa tradução do artigo da Catholic Encyclopedia, segue a segunda parte.
Boa leitura!

***
Consideramos longamente apenas a história e o significado do nome Católico(a). Voltamos agora para sua importância teológica, como tem sido enfatizada e formalizada pelos últimos teólogos. Sem dúvida a enumeração de quatro precisas "notas" pelas quais a Igreja se separa das seitas é de desenvolvimento comparativamente recente, mas a concepção de tais provas externas, como falado antes, baseia-se na linguagem de Santo Agostinho, São Optato e outros, em suas controvérsias com os hereges de seus tempos. Numa famosa passagem do tratado de Santo Agostinho "Contra Epistolam quam vocant Fundamenti", contra os donatistas, o santo doutor declara que, ao lado da intrínseca aceitabilidade da doutrina [da Igreja], "há várias outras coisas que mais justamente me mantêm no seio da Igreja", e depois de indicar a concordância na fé entre seus membros, …

"Católico(a)" - Parte 1

Imagem
Pax et bonum!

Ainda com a mente no Ano da Fé, e aproveitando a tradução anterior sobre o Símbolo Apostólico, poderíamos postar pormenores sobre todos os artigos do Credo, e de fato podemos fazer algo neste sentido. Todavia, gostaria de me deter no termo "Católico", aproveitando que a postagem anterior mostra que tal termo não consta no que se tem considerado como antiga forma romana do Credo. Alguém poderia questionar, portanto, o uso do termo, e outras pessoas poderiam desejar aprofundar-se no que significou e significa o nome "católico". Para isto, segue mais uma tradução de artigo da Catholic Encyclopedia, que achei por bem dividir em duas partes.
Boa leitura!

***
A palavra católico(a) (katholikos, de katholou — que passa pelo todo, isto é, universal) ocorre em clássicos gregos como, por exemplo, em Aristóteles e Políbio, e era livremente usada pelos antigos escritores cristãos naquilo que podemos chamar de seu sentido primitivo e não-eclesiástico. Assim encontr…

"O Credo dos Apóstolos"

Imagem
Pax et bonum!

Há menos de um mês para a abertura do Ano da Fé, apresentamos esta tradução de mais um artigo da Catholic Encyclopedia, desta vez, sobre o Símbolo Apostólico.

***
É uma fórmula contendo, em breves afirmações, ou "artigos", os princípios fundamentais da crença cristã, e tendo por seus autores, segundo a tradição, os Doze Apóstolos.
Origem do Credo

Por toda a Idade Média, acreditava-se geralmente que os Apóstolos, no dia de Pentecostes, enquanto ainda sob inspiração direta do Espírito Santo, compuseram nosso presente Credo entre si, cada um dos Apóstolos contribuindo com um dos doze artigos. Esta lenda data do séc. VI (cf. Pseudo-Agostinnho em Migne, P.L., XXXIX, 2189, e Pirmínio, ibid., LXXXIX, 1034), e é prenunciado ainda mais antes num sermãoa tribuído a Santo Ambrósio (Migne, P.L., XVII, 671; Kattenbusch, I, 81), que toma nota de que o Credo foi "montado, construído por doze operários distintos". Por volta do mesmo período (+- 400) Rufino (Migne, P.L…