domingo, 11 de novembro de 2012

Os passos da reforma litúrgica pós-conciliar - A Instrução INTER OECUMENICI

Pax et bonum!

No dia 04/12/1963 vinha à luz a Constituição Conciliar sobre a Sagrada Liturgia, a Sacrosanctum Concilium.
Quase dois meses depois, em 25/01/1964, o Papa Paulo VI, com a Carta Apostólica Sacram Liturgiam, sob a forma de motu proprio, determinava algumas coisas como aplicações da Constituição, a entrarem em vigor menos de um mês depois, em 16/02/1964. Neste motu proprio, Paulo VI fala da comissão especial instituída com o objetivo de "pôr em prática, pelo melhor modo, as prescrições da referida Constituição sobre a Sagrada Liturgia".
Oito meses depois, em 26/09/1964, esta comissão - o Consilium [ad exsequandam Constitutionem de Sacra Liturgia] apresentava sua primeira Instrução, a entrar em vigor cerca de cinco meses depois, em 07/03/1965.

Apresentamos, enfim, a possivelmente única versão em português, desta I Instrução para reta aplicação da Constituição Conciliar sobre a Sagrada Liturgia, disponível na web.
Dentre várias mudanças na Missa, figuram neste documento, por exemplo, a omissão do Salmo 42 (Iudica me), dos beijos ao dar e receber objetos, do Último Evangelho, e a supressão das Preces Leoninas, bem como a recomendação, onde fosse possível, da construção de altares separados da parede, citando a celebração de frente para o povo.
Ótima fonte para quem estuda a Reforma pós-conciliar ou deseja conhecer os passos dados até a promulgação, anos depois, do Novus Ordo Missæ.

O documento está disponível aqui no Gloria.TV.

Por Luís Augusto - membro da ARS

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Os passos da reforma litúrgica pós-conciliar - O motu proprio Sacram Liturgiam

Pax et bonum!

Nas próximas semanas estaremos postando alguns documentos provavelmente inexistentes em português na web, ou pelo menos presentes em poucos sites.
Trata-se de documentos importantes quanto à implementação da Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium sobre a Sagrada Liturgia (uma leitura obrigatória, por assim dizer), em que vemos os passos dados para a "transformação" do Missal Romano (sobretudo), em sua edição de 1962 (hoje referido como parte da Forma Extraordinária do Rito Romano), no novo Missal Romano, promulgado por Paulo VI, que é parte da Forma Ordinária do Rito Romano.
Primeiramente queremos chamar a atenção para dois textos de antes do Concílio: a Encíclica Mediator Dei, de Pio XII, de 1947, bem como sua Alocução por ocasião da conclusão do Congresso Internacional de Liturgia Pastoral, de 1956, que nos resumem algo da doutrina sobre a teologia litúrgica no período imediatamente anterior ao Concílio Vaticano II.
Na atual postagem, pomos como primeiro documento a Carta Apostólica motu proprio Sacram Liturgiam, de Paulo VI, de janeiro de 1964. Trata-se do primeiro documento oficial "implementando a reforma litúrgica do Concílio Vaticano II".
Nele, por exemplo, concede-se a omissão da hora Prima, fora do coro, e se estabelece a obrigatoriedade da homilia nos domingos e festas, dentre outras coisas.
Contamos com uma tradução já existente no site do Secretariado Nacional de Liturgia de Portugal.

O documento, em formato pdf, está disponível aqui.
O texto original em latim está disponível no site da Santa Sé, bem como uma versão em italiano.
Boa leitura.

Por Luís Augusto - membro da ARS