quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

O que são as Quatro Têmporas?

Pax et bonum!

Caros irmãos, exatamente nesta semana estamos nas chamadas Têmporas do Advento.
Mas o que são as Quatro Têmporas?

Oração da Quarta-feira das Têmporas do Advento,
Sacramentário Gregoriano Hadriano do séc. IX
A mesma Oração rezada ainda 1100 anos depois, em Missal Romano do séc. XX

Segue tradução do artigo da sempre recomendada Catholic Encyclopedia:

As Quatro Têmporas (do latim Quatuor Tempora, ou seja, quatro tempos, quatro estações) são os dias de início das estações ordenados pela Igreja como dias de jejum e abstinência. Foram definitivamente organizados e prescritos para toda a Igreja pelo Papa Gregório VII (1073-1085) para a quarta-feira, sexta-feira e sábado depois do dia 13 de dezembro (Santa Luzia), depois da Quarta-feira de Cinzas, depois de Pentecostes e depois do dia 14 de setembro (Exaltação da Santa Cruz).
O propósito de sua introdução, além do propósito geral de oração e jejum, era agradecer a Deus pelos dons da natureza, ensinar aos homens a como fazer uso deles com moderação, e ajudar aos necessitados.
A ocasião imediata foi a prática dos pagãos de Roma. Os romanos foram originalmente dados à agricultura, e seus deuses nativos pertenciam à mesma classe. No início do tempo da semeadura e da colheita, realizavam-se cerimônias religiosas para implorar o auxílio de suas deidades: em junho por uma colheita farta, em setembro por uma vindima rica e em dezembro pela semeadura; daí as suas feriae sementivae, feriae messis, e feri vindimiales.
A Igreja, ao converter nações pagãs, sempre tentou santificar qualquer prática que pudesse ser utilizada para um bom propósito. No início a Igreja em Roma teve jejuns em junho, setembro e dezembro; os dias exatos não eram fixados, mas anunciados pelos presbíteros.
O "Liber Pontificalis" atribuído ao Papa Calixto (217-222) prescreve uma lei ordenando o jejum, mas provavelmente trata-se de algo mais antigo. Leão Magno (440-461) considera isso uma instituição apostólica.
Não se pode acertar quando a quarta estação/têmpora foi incluída, mas Gelásio (492-496) fala de todas as quatro. Este papa também permitiu que se conferissem o presbiterado e o diaconado nos sábados das semanas das têmporas - antigamente eram dados somente na Páscoa.
Antes de Gelásio as Quatro Têmporas eram conhecidas somente em Roma, mas depois de seu tempo sua observância se difundiu. Foram levadas para a Inglaterra por Santo Agostinho [de Cantuária]; para Gália e Alemanha pelos Carovíngios. Espanha adotou-as com a Liturgia Romana no séc. XI. Foram introduzidas por São Carlos Borromeu em Milão. A Igreja Oriental não as conhece.
O presente Missal Romano (N.T.: este artigo data de 1909), no formulário das Quatro Têmporas, mantém em parte a antiga prática de leituras da Escritura adicionais às duas comuns (N.T.: Epístola e Evangelho): 3 para as quartas-feiras, 6 para os sábados, e 7 para o sábado de dezembro. Algumas dessas leituras contém promessas de colheitas abundantes para aqueles que servem a Deus.

Fonte: Mershman, Francis. "Ember Days." The Catholic Encyclopedia. Vol. 5. New York: Robert Appleton Company, 1909. 16 Dec. 2015 <http://www.newadvent.org/cathen/05399b.htm>.

Obs: A oração das imagens no início da postagem diz, conforme tradução do Missal de Dom Beda Keckeisen, de 1947:
"Nós vos suplicamos, ó Deus onipotente, 
concedei que a solenidade de nossa redenção, que se aproxima, 
nos alcance auxílios para a vida presente 
e nos enriqueça com os bens da felicidade eterna".

Na introdução deste mesmo Missal (de Dom Beda, OSB), lemos, nas páginas 17 e 18:

Para iniciar de maneira mais piedosa as quatro estações do ano, já nos primeiros tempos eram celebradas as Têmporas. Estes dias são sempre a quarta-feira, a sexta e o sábado, e são dedicados ao jejum e à oração. Foram instituídas para agradecer a Deus as colheitas e para implorar novas bênçãos do Senhor para as seatas futuras.
O dia mais solene era o sábado e ainda hoje é o dia preferido para as ordenações sagradas. É portanto de sumo interesse para os fiéis, que nestes dias implorem a Deus a dádiva de Pastores zelosos para o rebanho do Senhor.
Além deste característico comum, as Têmporas ainda influem no tempo do ano em que são celebradas. As primeiras são na 3ª semana do Advento, as segundas na 2ª semana da Quaresma, as terceiras na Oitava de Pentecostes e as últimas sempre na quarta-feira depois de 14 de setembro.

Por Luís Augusto - membro da ARS

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Ordenação subdiaconal na Administração Apostólica

Pax et bonum!
Salve Maria!

Hoje, uma pausa e ao mesmo tempo uma parte bela da caminhada do Advento - ao celebrarmos a Imaculada Conceição da Bem-aventurada Virgem Maria - temos a alegria de postar sobre a ordenação subdiaconal de nosso amigo Jorge Luís Conceição da Silva, conselheiro da ARS e seminarista da Administração Apostólica Pessoal São João Maria, que foi realizada hoje, 08/12/2015, na Capela do Seminário.
O subdiaconado, conhecido como a primeira ordem maior no Rito Romano, foi suprimido pelo Papa Paulo VI através da Carta Apostólica Ministeria Quaedam, de 15/08/1972. As funções do subdiácono passaram a ser confiadas ao Leitor e ao Acólito que, de ordens menores, passaram a ser chamados de ministérios. Segundo a decisão, nada obstaria a que, segundo juízo das Conferências Episcopais, o Acólito (ministério instituído) pudesse ser chamado de Subdiácono.
Como a Administração Apostólica foi erigida canonicamente preservando a disciplina litúrgica e eclesiástica como até os tempos de São João XXIII, conforme o Decreto Animarum Bonum, de 18/01/2002, os candidatos ao sacerdócio recebem as chamadas ordens menores e maiores.
A ARS alegra-se pela ordenação deste irmão e roga para que sejam vividos santamente os demais passos rumo ao sacerdócio.